Central do beneficiário

Correios - Nota veiculada no Primeira Hora em 3 de setembro de 2019

Postado por Wagner Fechine em 03 Sep 2019 12:04

Nota veiculada no informativo interno dos Correios - Primeira Hora, em 3 de setembro de 2019. Refere-se ao processo de mediação do Acordo Coletivo de Trabalho dos Correios 2019-2020, no que diz respeito ao atendimento do plano de saúde para os dependentes pais e mães.

Prorrogação plano de saúde - pai e mãe

O prazo para atendimentos de urgência e emergência de pais e mães dos empregados pelo plano de saúde se encerrou no dia 31 de agosto. No entanto, a direção dos Correios, atenta ao impacto que tal medida poderia acarretar ao bem-estar dos empregados e seus familiares, determinou a prorrogação destes atendimentos até o dia 30 de setembro.

Vale reforçar que a capacidade de manutenção da Postal Saúde está diretamente relacionada à sustentabilidade financeira dos Correios.


Fonte: Comunicação Interna dos Correios - Primeira Hora, de 3 de setembro de 2019.


Afinal, o que é labirintite?

Postado por Pollyana Gadelha em 03 Sep 2019 11:35

Nem toda tontura pode ser considera labirintite. O sintoma é comum a vários tipos de doenças e precisa ser investigado para se avaliar a causa.

A labirinte é uma afecção que pode comprometer tanto o equilíbrio quanto a audição, porque afeta o labirinto, estrutura da orelha interna constituída pela cóclea (responsável pela audição) e pelo vestíbulo (responsável pelo equilíbrio).


A doença, geralmente, é causada por infecção viral ou bacteriana, mas também pode ocorrer devido a lesão na cabeça, alergia, reação a um determinado medicamento ou transtornos na circulação sanguínea, que afetem o ouvido interior ou o cérebro. Outras possíveis causas da labirintite são doenças, envelhecimento, problemas cerebrais ou lesões no sistema visual ou musculoesquelético.


Geralmente, a labirinte se manifesta após os 40 anos, decorrente de alterações metabólicas e vestibulares. Hipoglicemia, diabetes, hipertensão, otites, uso de álcool, fumo, café, alguns medicamentos, estresse e ansiedade também são fatores de risco.

Diagnóstico

Avaliação clínica e o exame otoneurológico completo são muito importantes para estabelecer o diagnóstico da labirintite, especialmente o diagnóstico diferencial, pois outra doenças podem provocar sintomas bastante parecidos: hipoglicemia, diabetes, hipertensão, reumatismo, doença de Mèniére, esclerose múltipla, tumores no nervo auditivo, no cerebelo e em áreas do tronco cerebral, drogas ototóxicas, doenças imunológicas e a cinetose, também chamada de doença do movimento que não tem ligação com as doenças vestibulares ou do labirinto.


Tratamento

Baseado na causa da tontura, se direciona o tratamento. Para tratar da tontura, portanto, deve-se saber a causa. O tratamento pode ser feito algumas vezes com orientações dietéticas por exemplo, medicamentos, reabilitação vestibular (um tipo especial de fisioterapia focado em equilíbrio) ou até procedimentos cirúrgicos.

Com isso é importante o sintoma tontura ser devidamente investigado para que se possa oferecer o melhor tratamento para caso, evitando se rotular qualquer tipo de tontura como Labirintite.

Como prevenir

Bons hábitos de saúde, como a prática regular de atividades físicas, dieta balanceada e equilibrada, visitas regulares aos profissionais de saúde, evitar o consumo de drogas ilícitas e o abuso de cafeína, ajudam a prevenir e tratar os mais comuns problemas de saúde que provocam tontura.


Por: Comunicação/Postal Saúde
Foto: Stock Photos

Fontes:

Blog da Saúde

Site Drauzio Varela

Hospital Albert Einstein



​Setembro amarelo: Como ajudar alguém que pensa em cometer suicídio?

Postado por Arlinda Carvalho em 02 Sep 2019 11:25

O 10 de setembro foi escolhida para marcar o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Segundo a Organização Pan-americana da Saúde, a cada 40 segundos, uma pessoa se suicida no mundo. São 800 mil suicídios por ano, dos quais 65 mil acontecem na região das Américas.

No Brasil, 32 indivíduos se suicidam diariamente. Nove em cada dez mortes poderiam ser evitadas. Além disso, os especialistas estimam que o total de tentativas de tirar a própria vida é cerca de 10 vezes superior ao ato propriamente dito.

Na folha Informativa da Opas Brasil, divulgada em agosto de 2018, consta que em 2016 o suicídio foi a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no mundo.

É uma questão séria de saúde pública cuja causa todos devem abraçar. Nove em cada dez mortes poderiam ser evitadas. Com base nessa realidade, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta para a importância da prevenção, garantindo ajuda e atenção adequadas.

Mas como dar a devida atenção à pessoa que está em sofrimento? Saiba mais sobre o assunto lendo a matéria e assistindo ao vídeo preparado pelo Ministério da Saúde:


O indivíduo em sofrimento pode dar certos sinais, que devem chamar a atenção de seus familiares e amigos próximos, sobretudo se muitos desses sinais se manifestam ao mesmo tempo.

  • Isolamento;
  • Mudanças marcantes de hábitos;Aparecimento ou agravamento de problemas de conduta ou de manifestações verbais durante pelo menos duas semanas;
  • Desinteresse por atividades de que gostava;
  • Descuido com aparência;
  • Piora do desempenho na escola ou no trabalho;
  • Alterações no sono e no apetite;
  • Preocupação com sua própria morte ou falta de esperança;

(As pessoas sob risco de suicídio costumam falar sobre morte e suicídio mais do que o comum, confessam se sentir sem esperanças, culpadas, com falta de autoestima e têm visão negativa de sua vida e futuro. Essas ideias podem estar expressas de forma escrita, verbal ou por meio de desenhos).

  • Expressão de ideias ou de intenções suicidas.


Fiquem atentos para os comentários, muitas vezes ignorados:

  • Vou desaparecer/ Vou deixar vocês em paz/ Eu queria poder dormir e nunca mais acordar/ É inútil tentar fazer algo para mudar, eu só quero me matar.

Essas manifestações não devem ser interpretadas como ameaças nem como chantagens emocionais, mas sim como avisos de alerta para um risco real.

Mas atenção: Os sinais de alerta não devem ser considerados isoladamente. Não há uma “receita” para detectar seguramente quando uma pessoa está vivenciando uma crise suicida, nem se tem algum tipo de tendência suicida

Diante de uma pessoa sob risco de suicídio, o que se deve fazer?

  • Encontre um momento apropriado e um lugar calmo para falar sobre suicídio com essa pessoa. Deixe-a saber que você está lá para ouvir, ouça-a com a mente aberta e ofereça seu apoio.

  • Incentive a pessoa a procurar ajuda de profissionais de serviços de saúde, de saúde mental, de emergência ou apoio em algum serviço público. Ofereça-se para acompanhá-la a um atendimento.

  • Se você acha que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de saúde, de emergência e entre em contato com alguém de confiança, indicado pela própria pessoa

  • Se a pessoa com quem você está preocupado(a) vive com você, assegure-se de que ele(a) não tenha acesso a meios para provocar a própria morte (por exemplo, pesticidas, armas de fogo ou medicamentos) em casa.
  • Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo.

Onde buscar ajuda para prevenir o suicídio?

1. CAPS e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde).

2. UPA 24H, SAMU 192, Pronto Socorro; Hospitais

3. Centro de Valorização da Vida - 188 (ligação gratuita)

A ligação para o CVV tem parceria com o SUS. É gratuita e pode ser feita a partir de qualquer linha telefônica (fixa ou celular).

Também é possível acessar www.cvv.org.br para chat, Skype, e-mail e mais informações sobre ligação gratuita.

A Campanha

O 10 de Setembro como Dia Mundial de Prevenção do Suicídio foi criado em 2003, pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e pela Organização Mundial de Saúde, com o objetivo de prevenir o suicídio, por meio de ações estratégicas por parte de governos e da sociedade.

No Brasil, a campanha Setembro Amarelo foi criada em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), em parceria com o CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com a proposta de associar a cor amarela ao mês que marca o Dia Mundial.

O amarelo é a cor da luz, da vida e por isso foi escolhida para marcar as ações durante todo o mês. A ideia é pintar, iluminar e estampar o amarelo nas mais diversas resoluções, garantindo mais visibilidade à causa.


Por: Comunicação/Postal Saúde
Fontes: OPAS/Ministério da Saúde/CVV
Imagem: Campanha Setembro Amarelo

​Liberada comercialização do CorreiosSaúde II

Postado por Arlinda Carvalho em 30 Aug 2019 14:57

A partir da próxima sexta-feira (6/9), está autorizada a inclusão de novos titulares no plano CorreiosSaúde II, respeitados os critérios estabelecidos no Regulamento do plano. A medida, publicada hoje (30/8) no site da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), é resultado das ações de melhorias deflagradas pela Postal Saúde para aprimorar o atendimento aos beneficiários e reduzir as reclamações de natureza assistencial registradas na agência reguladora.

A cada três meses, a ANS realiza um monitoramento para avaliar as operadoras e acompanhar o desempenho do setor. Com a decisão favorável à Postal Saúde, o CorreiosSaúde II poderá receber novas adesões. Vale lembrar que a suspensão temporária não interferiu na situação dos beneficiários já incluídos no plano de saúde, cujos atendimentos foram realizados normalmente, sem nenhum prejuízo.

Canais de comunicação

A Postal Saúde reitera o compromisso de melhoria do atendimento aos seus beneficiários, incluindo melhor comunicação sobre o plano de saúde e a Rede Credenciada.

Caso tenha alguma dúvida ou algum problema para resolver, o beneficiário conta com tem três opções para falar com a Operadora. A primeira via de comunicação é a Central de Atendimento ao Beneficiário, por meio do 0800 888 8116. O serviço é gratuito e funciona 24h por dia, nos 7 dias da semana, inclusive nos feriados.

A segunda opção é a representação da Postal Saúde em seu estado, com funcionamento de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

O terceiro canal de atendimento é a Ouvidoria. Desde junho, o órgão conta com um novo sistema online, mais ágil e de fácil navegação, para receber reclamações, sugestões, elogios, consultas e denúncias dos beneficiários.

Com a novidade, ficou ainda mais prático entrar em contato com a Operadora. A nova plataforma permite ao beneficiário registrar rapidamente sua manifestação e acompanhar online o andamento da demanda. O contato com a Ouvidoria pode ser feito pelo site da Operadora (www.postalsaude.com.br/ouvidoria) ou pelo 0800 888 8120, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.


Por: Comunicação/Postal Saúde


Baixe o APP da Postal Saúde

Para sua comodidade e praticidade, baixe o aplicativo da Postal Saúde no seu aparelho celular. O APP está disponível para androides e iPhones. Para baixá-lo, acesse gratuitamente as lojas do Google Play ou da Apple Store . Depois, é só usufruir da praticidade que a ferramenta oferece.




​Especial: Dia Nacional de Combate ao Fumo alerta sobre uso do narguilé

Postado por Arlinda Carvalho em 28 Aug 2019 18:09


O consumo de tabaco e seus derivados mata milhões de indivíduos a cada ano. Se a tendência atual continuar, em 2030 o tabaco matará cerca de 8 milhões por ano sendo que 80% dessas mortes ocorrerão nos países da baixa e média renda. Os dados são da Organização Mundial de Saúde, publicados no site do Inca.

Neste ano, para marcar o Dia Nacional de Combate ao Fumo, comemorado em 29 de agosto, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) escolheu o tema Tabaco e saúde pulmonar – o uso do narguilé. Pretende-se, assim, alertar a população brasileira sobre os riscos de doenças pulmonares oriundas do consumo de tabaco e de seus produtos derivados, como o cachimbo de origem oriental.

O mote da campanha é um alerta importante: em 2008, a Pesquisa Especial sobre Tabagismo (Petab) mostrou que o Brasil tinha, à época, quase 300 mil consumidores do narguilé. Por ter virado “moda”, principalmente entre os mais jovens, a tendência é de que esses números sejam ainda maiores.

Pesquisa

Uma das ações do Inca para marcar a data será o lançamento do estudo “A curva epidêmica do tabaco no Brasil: para onde estamos indo?”, cujo objetivo é descrever as tendências temporais da taxa de mortalidade por câncer de pulmão observadas de 1980 a 2017 e estimadas até 2040.

Elaborado pela Divisão de Pesquisa Populacional do Instituto, o estudo mostra que, em 2017, foram registrados 27.931 óbitos decorrentes da doença. Para o ano seguinte, calculou-se a ocorrência de mais de dois milhões de casos novos e mais de 1,7 milhão de óbitos por câncer de pulmão. Já em 2019, são estimados 31.270 casos novos de câncer de pulmão o Brasil. Grande parte desses casos poderia ser evitada com a redução da prevalência de tabagismo.

Relatório da OMS

Outra ação será a apresentação do Relatório da OMS sobre a epidemia global do tabaco, documento bienal da Organização Mundial da Saúde que rastreia o cenário da epidemia de tabagismo e as ações existentes, globalmente, para controlá-la. A publicação tem como base a análise de dados sobre o consumo de tabaco e políticas de prevenção dos países-membro da OMS.

Desde 1997 o Inca é o Centro Colaborador da OMS para o Controle do Tabaco e realiza estudos populacionais cujos resultados contribuem para monitorar as tendências do consumo de produtos de tabaco no Brasil assim como conhecimento, crenças e atitudes da população frente às diferentes medidas da Política Nacional de Controle do Tabaco.

Controle do tabagismo no Brasil

No Brasil, como resultado das importantes ações de controle do tabaco desenvolvidas, a prevalência de tabagismo vem diminuindo ao longo dos anos. Em 1989 o percentual de fumantes de 18 anos ou mais no país era de 34,8%. Já em 2013, de acordo com pesquisa mais recente para essa mesma faixa etária em áreas urbanas e rurais, este número caiu para 14,7%.

Tabagismo entre os jovens

Os resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar do IBGE (2015) mostraram que a experimentação do cigarro foi de 18,4%, entre os escolares do 9º ano do ensino fundamental. O indicador de experimentação de cigarro para os meninos (19,4%) foi superior quando comparado às meninas (17,4%). Nos jovens, a última pesquisa realizada em 17 cidades brasileiras demonstrou que a prevalência de estudantes que fumavam regularmente foi muito similar à encontrada nos adultos (Vigescola 2002-2009).


Dados e números do tabagismo no mundo

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o tabagismo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo, sendo responsável por 63% dos óbitos relacionados às doenças crônicas não transmissíveis. Dessas, o tabagismo é responsável por 85% das mortes por doença pulmonar crônica (bronquite e enfisema), 30% por diversos tipos de câncer (pulmão, boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, colo de útero, estômago e fígado), 25% por doença coronariana (angina e infarto) e 25% por doenças cerebrovasculares (acidente vascular cerebral).

Além de estar associado às doenças crônicas não transmissíveis, o tabagismo também é um fator importante de risco para o desenvolvimento de outras doenças, tais como - tuberculose, infecções respiratórias, úlcera gastrintestinal, impotência sexual, infertilidade em mulheres e homens, osteoporose, catarata, entre outras doenças.

A data

Criado em 1986, pela Lei Federal 7.488, o Dia Nacional de Combate ao Fumo reforça as ações nacionais de sensibilização e mobilização da população brasileira para os danos sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco, tratando o assunto como problema de saúde coletiva.

Programação Dia Nacional de Combate ao Fumo no Inca

Data: 29 de agosto 2019 (quinta-feira)

Horário: 10h Abertura

10h15 Apresentação do Relatório da OMS sobre a epidemia global do tabaco

Representante da Unidade Técnica Determinantes Sociais da Saúde, Riscos para a Saúde e Saúde Mental da Organização Pan-americana da Saúde (Opas/OMS), Diogo Alves

10h30 Apresentação do estudo: A curva epidêmica do tabaco no Brasil: para onde estamos indo?

Representante da Divisão de Pesquisa Populacional do INCA, Mirian Carvalho

Local: Auditório do 8º andar do edifício-sede do INCA (Praça Cruz Vermelha, 23, Centro, Rio de Janeiro)

_____________________

Por: Comunicação/Postal Saúde
Fonte: Inca/Ministério da Saúde
Foto: Stock Photos

Postal Saúde lança novo Extrato de Utilização

Postado por Arlinda Carvalho em 28 Aug 2019 14:35

A partir deste mês (agosto/2019), os beneficiários têm à sua disposição o novo modelo do Extrato de Utilização das despesas médicas e odontológicas, mais detalhado e de fácil entendimento. Para consultar o extrato, basta acessar a área restrita do site da Postal Saúde e, em seguida, digitar login e senha. Caso não possua esses dados, é só seguir na página as instruções de cadastro.


No extrato, já era possível acompanhar os valores do compartilhamento das despesas. No entanto, para facilitar ainda mais a consulta, a coluna “COMPARTILHADO" passou a ser preenchida, permitindo ao beneficiário verificar se o valor cobrado será ou não compartilhado (indicado por SIM/NÃO), conforme imagem abaixo.


Outra mudança importante são as informações constantes no "Resumo do Mês". Nesse espaço, poderá ser verificado o valor total do extrato por plano de saúde (CorreiosSaúde e CorreiosSaúde II), conforme imagem acima.


Há novidade ainda na data de disponibilização dos extratos, que ocorrerá antes da cobrança, ou seja, na última semana do mês da competência. Em breve, também será disponibilizada ficha financeira, na qual o beneficiário poderá consultar os valores efetivamente compartilhados (observados teto e margem para desconto), bem como seu saldo residual por plano, se houver.


Fiscalização


Por meio do extrato, é possível acompanhar e conferir os eventos (procedimentos de saúde) realizados e os valores pagos pela Postal Saúde ao prestador de serviços.


Mais uma boa notícia é que o novo modelo de extrato pode ser consultado também na seção Minha Postal do site e no APP da Postal Saúde, com acesso no celular.


Em caso de dúvidas, o beneficiário pode ligar gratuitamente para a Central de Atendimento, no serviço 0800 888 8116 ou entrar em contato com a Postal Saúde de seu estado.



Baixe o APP da Postal Saúde

Para sua comodidade e praticidade, baixe o aplicativo da Postal Saúde no seu aparelho celular. O APP está disponível para androides e iPhones. Para baixá-lo, acesse gratuitamente as lojas do Google Play ou da Apple Store . Depois, é só usufruir da praticidade que a ferramenta oferece.



Por: Comunicação/Postal Saúde

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9