Central do beneficiário

​Brasil orienta evitar viagens à China

Postado por Arlinda Carvalho em 28 Jan 2020 18:13


Com o aumento do nível de alerta pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para alto em relação ao risco global do novo coronavírus, o Ministério da Saúde orienta que viagens para a China devem ser realizadas em casos de extrema necessidade. A recomendação faz parte das diretrizes publicadas no novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, atualizado nesta terça-feira (28), com informações para vigilância e assistência da rede pública de saúde.

Com quase três mil casos confirmados, segundo o último boletim da OMS, todo o território chinês passa a ser considerado área de transmissão ativa da doença. Com isso, as pessoas vindas desta localidade nos últimos 14 dias e que apresentem febre e sintomas respiratórios podem ser consideradas casos suspeitos.

Em coletiva de imprensa realizada em Brasília (DF), nesta terça-feira (28), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçou a orientação da pasta para que as pessoas tenham precaução na hora de viajar. “Nós desaconselhamos e não proibimos as viagens para a China. Não se sabe, ainda, qual é a característica desse vírus que é novo; sabemos que ele tem alta letalidade. Não é recomendável que a pessoa se exponha a uma situação dessas e depois retorne ao Brasil e exponha mais pessoas. Recomendamos que, não sendo necessário, que não se faça viagens, até que o quadro todo esteja bem definido”, destacou o ministro da Saúde.

Clique para acessar o Boletim Epidemiológico do novo coronavírus

Até a publicação do boletim, nesta terça-feira (28), um caso suspeito do novo coronavírus da China está sendo monitorado pelo Ministério da Saúde, em Belo Horizonte (MG). A paciente, uma estudante, apresentou sintomas da doença e tem histórico de viagem para Wuhan, na China, epicentro dos casos. Desta forma, o quadro se encaixa na definição de caso suspeito para o novo coronavírus. A paciente está sendo tratada em isolamento e apresenta boas condições de saúde. Exames laboratoriais estão sendo realizados para identificar ou não o vírus.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçou que o Brasil está preparado para prestar a melhor assistência necessária para a população. “Temos um sistema de vigilância robusto, reconhecidamente robusto, que já passou por três momentos de muita intensidade: SARS, Influenza e zika. Em todas as ocasiões nosso sistema de saúde respondeu muito bem”, destacou o ministro. “Vamos aguardar o que a ciência vai trazer. Não adianta nos antecipar, a realidade da China é uma, mas temos que observar como esse vírus vai se comportar em outros países, em outras culturas, porque isso ainda não está claro”, finalizou o ministro da Saúde.

O Brasil tem capacidade para realizar teste genético para a confirmação do novo coronavírus. O diagnóstico laboratorial específico para a doença inclui técnicas de detecção do genoma viral e, no Brasil, os testes serão realizados por laboratórios referência do Ministério da Saúde, como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-RJ), o Instituto Adolfo Lutz e o Instituto Evandro Chagas (IEC).

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, reforçou que a pasta, em conjunto com estados e municípios tem capacidade para atuar na possibilidade de um caso suspeito da doença. “O protocolo está sendo seguido, usando como experiência um legado do nosso sistema de saúde que é robusto. Temos testes para influenza, para outros vírus respiratórios. O Brasil é o único país do hemisfério sul com fábrica de vacina para influenza. Monitoramos todos os vírus respiratórios, que chamamos de vigilância sentinela de síndrome gripal, além de avaliarmos as mutações. O Brasil dispõe de laboratórios centrais em todos os estados do Brasil que estão capacitados”, destacou o secretário.

Para subsidiar os profissionais de saúde, o boletim epidemiológico traz, ainda, orientações em todas as áreas de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS), além de deixar clara a definição de casos suspeitos, prováveis, confirmados e descartados.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, desatacou, ainda quais ações de higiene a população pode seguir, como medida de prevenção. “Lavar as mãos, evitar espirrar e tossir sem proteger a pessoa que está na sua frente, evitar tocar nos olhos, nariz, boca e evitar tocar pessoas que estejam doentes, pode prevenir. Além disso, é sempre bom ficar em casa se estiver doente para não expor outras pessoas. São orientações típicas de prevenção de vírus”.


Fonte: Ministério da Saúde
Foto: 123 Banco de Imagens


25 de janeiro: O carteiro, eu e o país inteiro

Postado por Arlinda Carvalho em 24 Jan 2020 18:06


Hoje acordei com uma alegria contagiante de quem aguarda um presente, uma encomenda ou uma declaração de amor trazida por quem, do nascer ao pôr do sol, está presente em cada recanto, em cada lar, em cada coração, cumprindo com dignidade o seu papel.

Aguardo ansioso por ele. Seus passos integram realidades diversas vindas de regiões centrais ou longínquas, de dentro ou de fora do país, não importa. Lá está ele, a pé ou de motocicleta, aproximando fronteiras, sentimentos, corações. Alinhavando histórias em caixas, envelopes e papéis.

Hoje ele vem me visitar. Toca a campainha. Abro um largo sorriso e respondo àquele bom-dia caloroso, cheio de amor e de sol. É ele, nosso querido carteiro, já conhecido no bairro, amado e respeitado por toda gente, mundo afora.

Hoje, coincidentemente, é o meu aniversário. E ele, que também é o "aniversariante" do dia, trouxe-me uma surpresa vinda do outro lado do oceano. Mas o maior presente mesmo foi o abraço que trocamos. Era o meu presente para ele.

Naquele momento, não havia fronteiras: éramos um só, representando o país inteiro. Parabenizei-lhe pela data e agradeci àquele trabalhador dedicado por tornar minha vida, nossas vidas, mais cheias de humanidade e significados, aproximando o país e o mundo em passos firmes e certeiros.

Parabéns, carteiros de todo o Brasil!


Texto: Arlinda Carvalho
Foto: 123 Banco de Imagens

​Brasil prepara rede de saúde para novo coronavírus

Postado por Arlinda Carvalho em 24 Jan 2020 12:14

Ministério da Saúde reforça orientações para notificação imediata
de casos suspeitos em aeroportos, portos e fronteiras do país (Foto: 123 Banco de Imagens)


Diante dos casos de doença respiratória na China, causada pelo novo coronavírus, o Ministério da Saúde instalou, na quarta-feira (22/01), o Centro de Operações de Emergência (COE) - novo coronavírus. O comitê tem como objetivo preparar a rede pública de saúde para o atendimento de possíveis casos no Brasil. Até o momento, não há detecção de nenhum caso suspeito no país. A pasta tem realizado monitoramento diário da situação junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), que acompanha o assunto desde as primeiras notificações de casos em Wuhan, na China, no dia 31 de dezembro de 2019.

O COE é composto por técnicos especializados em resposta às emergências de saúde pública. Além do Ministério da Saúde, compõe o grupo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Instituto Evandro Chagas (IEC), além de outros órgãos. Desta forma, o país poderá responder de forma unificada e imediata à entrada do vírus em território brasileiro.

Para subsidiar os profissionais de saúde, o Ministério da Saúde atualizou o Boletim Epidemiológico com orientações em todas as áreas de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS), além de deixar clara a definição de casos suspeitos, prováveis, confirmados e descartados.

O Boletim traz ainda recomendações de vigilância nos portos, aeroportos e fronteiras de todo o Brasil. Foram reforçadas as orientações para notificação imediata de casos suspeitos do novo coronavírus nos pontos de entrada do país, além da intensificação da limpeza e desinfecção nos terminais, como prevê a Anvisa.

Até o momento, só há transmissão ativa do vírus na cidade de Wuhan, na China. As áreas com transmissão local serão atualizadas e disponibilizadas no site do Ministério da Saúde, no link: http://saude.gov.br/saude-de-a-z/listacorona.

O que é considerado um caso suspeito

É considerado como caso suspeito do novo coronavírus paciente com sintomas da doença, como febre, tosse e dificuldade para respirar. Além disso, o paciente precisa ter viajado para área com transmissão ativa do vírus nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas.

“É preciso esclarecer que a definição de casos é dinâmica, porque pode mudar a partir do contexto epidemiológico. No entanto, até o momento, não há nenhum caso suspeito do novo coronavírus no Brasil", informou o secretário substituto de Vigilância em Saúde, Julio Croda.

Cuidados básicos

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de infecções respiratórias agudas: evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas; realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente; evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Fonte: Ministério da Saúde. Leia a matéria completa e assista à coletiva de imprensa sobre o assunto


Endereço provisório na filial do Rio Grande do Norte

Postado por Filipe em 23 Jan 2020 18:56


Devido a um problema no transformador do prédio onde funciona a filial da Postal Saúde do Rio Grande do Norte, a unidade tem passado por dificuldades de comunicação nos últimos dias.

Como a substituição do transformador ainda não foi concluída, a Regional está funcionando em um endereço alternativo e com equipe reduzida.

Em caso de necessidade, o NAR-RN está atendendo no Complexo GRESC/RN (Av. Hermes da Fonseca, nº1160. Bairro: Tirol - Natal/RN) e o telefone disponível é o número corporativo (84) 99117-8812.

Já os e-mails devem ser enviados para as caixas RN Administrativo (rn.administrativo@postalsaude.com.br) ou RN Negociação (rn.negociacao@postalsaude.com.br).

​Ambulatório da Postal Saúde em BH mudou para o bairro Floresta

Postado por Arlinda Carvalho em 23 Jan 2020 16:39


O Ambulatório da Postal Saúde em Belo Horizonte (MG) passou a atender no bairro Floresta, no mesmo endereço onde funciona a Filial da Postal Saúde no estado. A medida tem por objetivo facilitar o deslocamento e promover cada vez mais a aproximação dos beneficiários com a Operadora.

Dessa forma, empregados e dependentes do plano de saúde que trabalham ou residem em regiões próximas — ou mesmo que se dirigem à Postal Saúde para solicitar algum serviço — terão mais facilidade para realizar as consultas médicas e odontológicas. No Ambulatório, são oferecidas as especialidades de Clínica Médica, Ortopedia, Enfermagem e serviços de Odontologia.

Outra vantagem é que a nova localização, próxima do centro da cidade, conta com pontos de acesso ao transporte público e excelente infraestrutura. Além disso, os beneficiários usufruem da gratuidade do atendimento, uma vez que não é cobrada a coparticipação das despesas dos serviços de saúde realizados no Ambulatório.

Antes da mudança de endereço, ocorrida no dia 13 de janeiro, os atendimentos eram realizados no CTCE-BH, unidade dos Correios localizada no bairro Universitário, na capital mineira. No entanto, devido à dificuldade de acesso ao local, a Operadora e os Correios buscaram um endereço mais central e acessível para todos.


Confira as vantagens da nova localização do Ambulatório:

- Funciona no mesmo prédio da Filial da Postal Saúde;

- Facilita a vida do beneficiário que necessitar resolver alguma situação referente ao plano de saúde;

- Situa-se próximo do centro da cidade;

- Oferece fácil acesso ao transporte público, promovendo o deslocamento para outras áreas urbanas;

- Conta com excelente infraestrutura, composta por grande variedade de bancos e estabelecimentos comerciais.


Serviço:

Ambulatório Floresta em Belo Horizonte (MG)

Endereço: Av. do Contorno, 1909, 5º e 6º andares, bairro Floresta

Especialidades: Clínica Médica, Ortopedia, Enfermagem e serviços de Odontologia.

Horário de funcionamento: De segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 18h.

Telefone: (31) 3431 0703


Postal Saúde. Sua vida, nossa existência.


Por: Comunicação/Postal Saúde
Fonte: Gerência de Rede de Atendimento
Foto: 123 Banco de Imagens



Operação Gota deve vacinar mais de 20 mil pessoas na região Norte

Postado por em 20 Jan 2020 17:31

Foto: Alejandro Zambrana/Sesai-MS

O Ministério da Saúde inicia nesta sexta-feira (17) a Operação Gota, com ações de vacinação para mais de 20 mil pessoas em áreas de difícil acesso na região Norte do país. A iniciativa será dividida em cinco etapas e conta com parceria do Ministério da Defesa. A Operação terá o apoio das secretarias estaduais e municipais, Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) e oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB), para as vacinas chegarem aos brasileiros que vivem em áreas rurais e ribeirinhas, como a população indígena, nos estados do Amazonas (Médio Solimões e Alto do Rio Negro), Acre (Alto do Rio Juruá e Alto Rio Purus) e Pará (Oriximiná).

“A Operação Gota é um exemplo de responsabilidade social compartilhada, levando vacinas e consequentemente a promoção da saúde para indígenas, população rural e ribeirinha. A ação coloca em prática o princípio da equidade preconizado pelo SUS e o grande trabalho de equipe com atuação dos profissionais dos DSEI e estados e municípios. Além do apoio dos profissionais da FAB que atuam de forma corajosa e humanitária conduzindo as aeronaves em locais de difícil acesso”, destacou o diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis da Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde, Júlio Croda.

A estratégia contempla todas as vacinas previstas no Calendário Nacional de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações e previne a população contra o sarampo, febre amarela, meningite, entre outras doenças. A Operação Gota visa controlar e manter a eliminação ou erradicação de doenças imunopreveníveis em todo o território brasileiro, contribuindo para a qualidade de vida da população.

Entre novembro e dezembro de 2019, a Operação Gota vacinou 716 pessoas com a aplicação de 1.756 doses de vacinas nos estados do Amazonas, Pará e Amapá. A vacinação nessas localidades ocorre conforme a situação vacinal de cada indivíduo e envolve dezenas de profissionais entre militares, enfermeiros, técnicos de enfermagem, profissionais das secretarias estaduais e municipais de Saúde, dos Distritos Sanitários Especiais indígenas (DSEIs) e do Ministério da Saúde. Além de uma grande logística com estrutura de refrigeração garantindo a qualidade das vacinas a serem ofertadas.

Operação Gota

A ação de multivacinação visa beneficiar a população que vive em regiões de difícil acesso do país, como área rurais, ribeirinhas e indígenas. A estratégia teve início em 1993, como iniciativa isolada no estado do Amazonas, após a notificação de surtos de sarampo em populações indígenas da região do Rio Juruá. Desde então, se consolidou no país como uma ação imprescindível para a realização de multivacinação em áreas mais isoladas. Atualmente, abrange os estados do Amazonas, Acre, Amapá e Pará.

Programação entre janeiro e março de 2020:


N

Missão

UF

Número de localidades previstas

Número de população para avaliação da caderneta de vacinação

1

Médio Solimões (Eirunepé e Carauari)

AM

41

4.821

2

Alto do Rio Purus (Rio Branco)

AC

32

3.172

3

Alto do Rio Juruá (Cruzeiro e Tarauacá)

AC

13

1.731

4

Alto do Rio Negro (Iauarete/ São Joaquim)

AM

114

7.423

5

Oriximiná (Santarém)

PA

29

3.100


Por: Nicole Beraldo, da Agência Saúde

Fonte: Ministério da Saúde



1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9