Central do beneficiário

​Termina hoje (30/4) prazo para Recadastramento de Aposentados na Postal Saúde

Postado por Arlinda Carvalho em 29 Apr 2019 12:09


Atenção, aposentados!

Termina hoje (30/4), o prazo para atualizar seus dados cadastrais na Postal Saúde. A campanha, que teve início em 4 de fevereiro, tem por objetivo a atualização dos dados cadastrais dos seus beneficiários aposentados, necessária para que a Operadora continue garantindo a assistência médica e odontológica.

O prazo, inicialmente estabelecido em 30 de março, foi prorrogado por mais um mês, por solicitação da Faaco (Federação dos Aposentados, Aposentáveis e Pensionistas dos Correios e Telégrafos) e entidades associadas.

No início da campanha, além da publicação no site da Postal Saúde, foi enviada para a residência dos beneficiários aposentados uma carta com todas as informações sobre o Recadastramento 2019. Mas caso você tenha alguma dúvida, pode entrar em contato com a Central de Atendimento ao Beneficiário (0800 888 8116) ou com a Postal Saúde nos estados.

Documentação necessária

Para a atualização cadastral, devem ser enviados os seguintes documentos à Postal Saúde:

Formulário de Recadastramento de Aposentados - Plano CorreiosSaúde II- FOP 150.06 ( Clique aqui para baixar o formulário).

Comprovante de recebimento de benefício do INSS (exercício 2019).

Comprovante de residência


Lembramos que a apresentação da documentação acima transcrita é de caráter obrigatório, e a ausência de qualquer um dos documentos acarretará a condição de não recadastrado.


Veja abaixo como preencher o formulário de recadastramento:




Canais disponíveis para envio

Os documentos podem ser enviados de duas formas:

Por correspondência: Caixa Postal 9555, CEP: 70.040-976 / Brasília-DF, ou

Presencialmente: Unidade de Representação Regional da Postal Saúde mais próxima de sua localidade.

(Para encontrar o endereço e os telefones de contato da sua regional, clique aqui).


Postal Saúde. Sua vida, nossa existência.


Por: Comunicação/Postal Saúde
Ima
gens e vídeo: Comunicação/Postal Saúde

Hipertensão: doença traiçoeira

Postado por Arlinda Carvalho em 26 Apr 2019 14:48


Hipertensão (pressão alta) é uma doença que acomete crianças, adultos e idosos, homens e mulheres de todas as classes sociais e condições financeiras. Popularmente conhecida como “pressão alta”, está relacionada com a força que o sangue faz contra as paredes das artérias para conseguir circular por todo o corpo.

O estreitamento das artérias aumenta a necessidade de o coração bombear com mais força para impulsionar o sangue e recebê-lo de volta. Como consequência, a hipertensão dilata o coração e danifica as artérias.

Os valores da pressão arterial não são sempre os mesmos durante o dia. Geralmente caem, quando dormimos ou estamos relaxados, e sobem com a atividade física, agitação, estresse.

Revisão da faixa de hipertensão

De acordo com o conceito clássico, eram consideradas hipertensas as pessoas com pressão máxima (sistólica) maior do que 14 cm Hg, ou com pressão mínima (diastólica) acima de 9 cm Hg. Aquelas com máximas entre 12 e 13,9 e mínimas entre 8 e 8,9 caíam na faixa da pré-hipertensão, na qual não estava indicado tratamento medicamentoso. Baseados na revisão dos últimos estudos clínicos, o American College of Cardiology e a American Heart Association acabam de propor novos limites para definir hipertensão arterial. Segundo essas normas, os níveis máximos da normalidade devem ser de 12 por 8, contradizendo os 13 por 9 das anteriores.

Sintomas

Hipertensão arterial é doença traiçoeira, só provoca sintomas em fases muito avançadas ou quando a pressão arterial aumenta de forma abrupta e exagerada. Algumas pessoas, porém, podem apresentar sintomas, como dores de cabeça, no peito e tonturas, entre outros, que representam um sinal de alerta.

Tratamento

O objetivo do tratamento deve ser não deixar a pressão ultrapassar os valores de 12 por 8.

Nos casos de hipertensão leve, com a mínima entre 9 e 10, tenta-se primeiro o tratamento não medicamentoso, que é muito

Recomendações

- A pessoa precisa praticar exercícios físicos, não exagerar no sal e na bebida alcoólica, controlar o estresse e o peso, levar vida saudável.

- Como existe nítida relação entre pressão alta e aumento do peso corporal, perder 10% do peso corpóreo é uma forma eficaz de reduzir os níveis da pressão. Por exemplo, a cada 1kg de peso eliminado, a pressão do hipertenso cai de 1,3mmHg a 1,6mmHg em média.

- Se o indivíduo tem a pressão discretamente aumentada e não consegue controlá-la fazendo exercícios, reduzindo a ingestão de bebidas alcoólicas e perdendo peso, ou se já tem os níveis mínimos mais elevados (11 ou 12 de pressão mínima), é necessário introduzir medicação para deixar os vasos mais relaxados.

- Todos os remédios para hipertensão são vasodilatadores e agem de diferentes maneiras. Os mais antigos, entre eles os diuréticos, por exemplo, se no início fazem a pessoa perder um pouquinho mais de sal e de água, também ajudam a reduzir a reatividade dos vasos. Os mais modernos costumam ser mais tolerados e provocam menos efeitos colaterais.

- É sempre possível controlar a pressão arterial desde que haja adesão ao tratamento. Para tanto, o paciente precisa fazer sua parte: tomar os remédios corretamente e mudar os hábitos de vida.


Fonte: Site Drauzio Varella
Foto: Stock Photos





Tecnologia "blindará" mosquito contra dengue em teste de cidades com até 1,5 milhão de habitantes

Postado por Arlinda Carvalho em 23 Apr 2019 10:25



Três cidades brasileiras irão realizar a etapa final do método “Wolbachia” para o combate ao mosquito Aedes aegypti, antes da sua incorporação ao Sistema Único de Saúde (SUS). A nova fase do projeto World Mosquito Program Brasil (WMPBrasil) da Fiocruz em parceria com o Ministério da Saúde será testado nos municípios de Campo Grande (MS), Belo Horizonte (BH) e Petrolina (PE).

Para isso, a pasta vai destinar R$ 22 milhões. A metodologia é inovadora, autossustentável e complementar às demais ações de prevenção ao mosquito. Consiste na liberação do Aedes com o microrganismo Wolbachia na natureza, reduzindo sua capacidade de transmissão de doenças.

O anúncio da etapa final de avaliação da Wolbachia, nos três municípios, foi feito pelo ministro da Saúde, Henrique Mandetta, na segunda-feira, (15), durante a abertura do evento “Atualização em Manejo Clínico da Dengue e febre do chikungunya e no controle vetorial do Aedes aegypti”, em Campo Grande (MS).

O evento tem como objetivo capacitar médicos, enfermeiros, coordenadores e supervisores de Controle de Vetores dos 79 municípios do estado de Mato Grosso do Sul em relação à técnica de manejo, controle do mosquito e operação de campo.

Combater o mosquito: responsabilidade de todos

Ao fazer o lançamento, em Campo Grande, o ministro da Saúde reforçou que a estratégia de combate ao mosquito Aedes continua sendo responsabilidade de todos.

“Essa é uma estratégia complementar. Governo e população precisam continuar fazendo sua parte. No âmbito da pesquisa, hoje estamos dando um importante passo. Tínhamos duas linhas de trabalho, sendo uma voltada ao controle do mosquito com o uso de inseticidas, e outra direcionada ao controle biológico, que é o caso do uso da Wolbachia.

Essa última pesquisa foi muito bem em todas as etapas, desde a parte teórica até o ensaio clínico em laboratório, e no teste em cidades de pequeno porte. E agora, vamos testar em cidades acima de 1,5 milhão de habitantes”, disse o ministro Henrique Mandetta.

Ouça o áudio: Aedes: Ministério da Saúde usa nova tecnologia pra combater o mosquito

De acordo com o ministro, as três cidades, onde serão trabalhadas a última fase, vão servir de base para verificar a eficácia da metodologia nas regiões do Centro-Oeste, a partir de Campo Grande; Nordeste, por meio de Petrolina; e Sudeste, a partir da experiência em Belo Horizonte.

“Em breve, devemos fazer em outras cidades, para colhermos os frutos com o desenvolvimento. Isso vai envolver trabalho da assistência, com o acompanhamento do número de casos; de entomologistas, para saber a prevalência do mosquito; com agentes comunitários de Saúde; e por meio de armadilhas colocadas a campo”, explicou o ministro.

A última fase de teste, agora em cidades com mais de 1,5 mil habitantes, com o mosquito Aedes aegypti infectados com Wolbachia, terá início, em Campo Grande, Belo Horizonte e Petrolina, no segundo semestre de 2019 e tenha uma duração de cerca de três anos.

Método é seguro

O método é seguro para as pessoas e para o ambiente, pois a Wolbachia vive apenas dentro das células dos insetos. No caso do município de Belo Horizonte, o Ministério da Saúde apoiará a realização de Ensaio Clínico Randomizado Controlado (em inglês Randomized Controlled Trial, RCT) em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais e apoio do National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID).

A medida é complementar e ajuda a proteger a região das doenças propagadas pelos mosquitos, uma vez que o Aedes aegypti com Wolbachia - que têm a capacidade reduzida de transmitir dengue, Zika, chikungunya – ao serem soltos na natureza se reproduzem com os mosquitos de campo e geram Aedes aegypti com as mesmas características, tornando o método autossustentável. Esta iniciativa não usa qualquer tipo de modificação genética.

As liberações de mosquitos são precedidas por uma série de ações educativas e de comunicação, com o objetivo de informar a população sobre o método Wolbachia. Esta etapa tem o apoio e a participação de parceiros do WMP no território, como lideranças comunitárias e associações de moradores, unidades de saúde, escolas e organizações não-governamentais.

Wolbachia

Wolbachia é um microrganismo presente em cerca de 60% dos insetos na natureza, mas ausente no Aedes aegypti. Uma vez inserida artificialmente em ovos de Aedes aegypti, a capacidade do Aedes transmitir o vírus da zika, Chikungunya e Febre Amarela fica reduzida. Com a liberação de mosquitos com a Wolbachia, a tendência é que esses mosquitos se tornem predominante e diminua o número de casos associado a essas doenças nos três municípios.

Investimentos

Desde 2011, o Ministério da Saúde em parceria com a Fundação Bill & Melinda Gates e National Institutes of Health já investiram no método Wolbachia R$ 31,5 milhões. As primeiras liberações dos mosquitos contendo Aedes aegypti com wolbachia no Brasil ocorreram em 2015 nos bairros de Jurujuba em Niterói e Tubiacanga na Ilha do Governador ambos no estado do Rio de Janeiro.

Experiência em outros países

Em 2016 a ação foi ampliada em larga escala em Niterói e em 2017 no município do Rio de Janeiro. Atualmente o WMP Brasil atende 29 bairros na cidade do Rio de Janeiro e 28 bairros de Niterói. No total, já são 1,3 milhão de pessoas beneficiadas no estado com o método Wolbachia.

Além do Brasil, também desenvolvem ações do programa países como: Austrália, Colômbia, Índia, Indonésia, Sri Lanka, Vietnã, e as ilhas do oceano pacífico Fiji, Kiribati e Vanuatu.


Fonte: Ministério da Saúde
Foto: Ministério da Saúde

​Ministério da Saúde lança Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

Postado por Arlinda Carvalho em 16 Apr 2019 12:30


A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou na quarta-feira (10) em todo o país. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, participou do lançamento oficial da Campanha em Porto Alegre (RS). A pasta pretende vacinar 58,6 milhões de pessoas, entre os dias 10 de abril e 31 de maio. Para isso, enviou aos estados 63,7 milhões de doses da vacina. Até o dia 18 de abril, serão priorizadas crianças e gestantes, grupos mais vulneráveis às complicações causadas pela influenza. Neste ano, a faixa-etária do público infantil foi ampliada, de até 5 anos para até menores de 6 anos, incluindo 2,8 milhões de crianças na campanha. Neste ano, também, gestantes e crianças poderão atualizar as demais vacinas previstas na Caderneta de Vacinação.

Leia também: Mitos e verdades sobre a vacinação em gestantes

“Nós precisamos entender que a vacina é um direito das crianças e um dever dos seus responsáveis, que somos todos nós, pais, mães, avós, tias, professores e profissionais de saúde. Não podemos deixar de perguntar se uma criança está com o Calendário de Vacinação em dia. Em alguns lugares do país, é exigido que a Caderneta de Vacinação esteja em dia para que seja confirmada a matrícula da criança e do adolescente”, destacou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Ele informou que a pasta vai levar uma proposta ao Congresso Nacional para estender essa exigência a todo o país.

Durante o lançamento da campanha, o ministro da Saúde assinou portarias que habilitam novos serviços, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), ampliando mais R$ 17,3 milhões ao ano no Teto de Média e Alta Complexidade (Teto MAC) do estado do Rio Grande do Sul. Os serviços abrangem áreas, como oncologia, serviços especializados em reabilitação e cuidados intermediários neonatal convencional, localizados em 11 municípios.

Outros grupos prioritários

A partir do dia 22 de abril, a vacinação contra influenza se estenderá também aos demais públicos-alvo da campanha, que são: trabalhadores de saúde; povos indígenas; puérperas (mulheres até 45 após o parto); idosos (a partir dos 60 anos); professores, pessoas portadoras de doenças crônicas e outras categorias de risco clínico, população privada de liberdade, incluindo adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medida socioeducativa, e funcionários do sistema prisional, além das gestantes e crianças de seis meses a menores de seis anos (5 anos, 11 meses e 29 dias).

O dia D de mobilização, em que postos de todo o Brasil estarão abertos, será no dia 4 de maio.

A meta do Ministério da Saúde é vacinar pelo menos 90% de cada um dos grupos prioritários. A escolha dos grupos que receberão a vacina segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa definição também é baseada em estudos epidemiológicos e no comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. Por isso, são priorizadas as populações com maior chance de complicações e óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave.

Distribuição das doses

Para atender todo o público, o Ministério da Saúde enviará aos estados 63,7 milhões de doses da vacina. Durante a campanha, estarão funcionando no país 41,8 mil postos de vacinação, com o envolvimento de 196,5 mil pessoas e a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

A vacina produzida para 2019 teve mudança em duas das três cepas que compõem o imunobiológico, e protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com determinação da OMS: (H1N1) pdm09; A/Switzerland/8060/2017 (H3N2); B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87). A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações e óbitos.

Durante todo o período de vacinação, para reforçar junto ao público-alvo a importância de buscar um posto de vacinação, será veiculada campanha publicitária na televisão, rádio, jornais, redes sociais, painéis em ônibus e metrô. O slogan é “Não Coloque a sua vida e a de quem você ama em risco. Vacine contra a gripe”.

Em 2018, as gestantes e as crianças foram os únicos grupos que ficaram abaixo da meta, com 80,8% e 77,8% de cobertura, respectivamente. Todos os outros grupos atingiram o patamar de 90%. Neste ano, a faixa-etária do público infantil foi ampliada. Durante a campanha, receberão a vacina todas as crianças entre 6 meses e menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias). Até o ano passado, eram vacinadas as crianças menores de 5 anos.


Fonte: Ministério da Saúde
Vídeo: Ministério da Saúde: Ministério da Saúde/Youtube:
Link: https://www.youtube.com/watch?time_continue=8&v=EZYO07zjmEo

Novo diretor da Postal Saúde toma posse

Postado por Arlinda Carvalho em 12 Apr 2019 16:08



Tomou posse na sexta-feira (12/4) na Postal Saúde, em cerimônia ocorrida durante reunião dos membros do Conselho Deliberativo da Operadora, o novo titular da Diretoria de Saúde e Administração da Rede (DISAR), Marcos Antonio Tavares Martins.

Empregado de carreira dos Correios desde 2004 — onde ingressou como advogado —, Marcos Antonio é graduado em Direito e pós-graduado em Direito Administrativo e Processo Administrativo. É também Mestre em Direito e em Políticas Públicas.

Nos Correios, exerceu várias funções gerenciais, sendo a última de chefe do Departamento Jurídico. Também foi membro suplente do Conselho Deliberativo da Postal Saúde de janeiro de 2016 a abril de 2019.

Com a posse, Marcos Antonio é o mais novo membro efetivo da Diretoria Executiva da Postal Saúde, da qual fazem parte o diretor-presidente, Ariovaldo Câmara; o diretor administrativo e financeiro, Júlio Cesar Oliveira; e a diretora de Planos de Saúde e Relacionamento com os Clientes, Daniela Borja. Todos são empregados de carreira dos Correios.

A Diretoria

Localizada no 6º andar do edifício-sede da Postal Saúde, em Brasília, a Diretoria de Saúde e Administração da Rede engloba três gerências: Gerência de Programas de Saúde (GESAU), Gerência de Serviços Especiais de Saúde (GESES) e Gerência de Rede de Atendimento (GERAT).


Uma das principais atribuições da DISAR é garantir serviços de saúde por meio de Rede própria (Ambulatórios) e da Rede Credenciada, além de controlar todo processo de aquisição de Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPMEs).


A pasta é responsável também, entre outras atribuições, pela execução dos programas de Saúde, de Prevenção de Doenças e de Qualidade de Vida voltados aos mais de 356 mil beneficiários — empregados ativos e aposentados dos Correios e seus dependentes no plano de saúde.


Por: Comunicação/Postal Saúde

Foto: : Comunicação/Postal Saúde





Correios realiza recrutamento interno para supervisor da Postal Saúde

Postado por em 09 Apr 2019 15:10


A Gerência de Recrutamento e Seleção dos Correios (GRES/CEGEP) receberá, no período de 8/04/2019 a 18/04/2019, inscrições de empregados interessados em participar do Recrutamento Interno para preenchimento da função de Supervisor de Núcleo de Atendimento da Postal Saúde.

A iniciativa faz parte da Nova Política de Contratações aprovada pelo Conselho Deliberativo da Operadora e tem por base os parâmetros de qualidade e transparência na gestão da Postal Saúde, em consonância com as diretrizes da Mantenedora, os Correios.

O Recrutamento Interno é para o preenchimento de vagas e formação de cadastro de reserva (CR) nos seguintes estados/regiões: Acre, Alagoas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Tocantins e Sergipe.

O processo seletivo será composto de 3 (três) etapas, sendo: Requisitos Gerais, Avaliação Curricular e Resultado e, por fim, a Análise de Perfil.

Os resultados da primeira e segunda etapas serão publicados na página da GRES/CEGEP na Intranet, na qual os candidatos deverão acompanhar as publicações referentes ao Recrutamento Interno. O resultado da análise de perfil será encaminhado à Postal Saúde, que providenciará o pedido de cessão do empregado.

Os empregados serão cedidos à Postal Saúde e, caso haja mudança de domicílio, os custos serão do candidato/empregado. A jornada de trabalho é de 40 (quarenta) horas semanais, com atividades de segunda a sexta-feira. A remuneração varia de acordo com o Porte do Núcleo de Atendimento.

Os interessados podem fazer sua inscrição clicando aqui . Para acessar a Nota de Abertura de Recrutamento Interno com todas as informações clique aqui.



Por: Comunicação/Postal Saúde

Foto: Stockphotos



1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9